CRISE POLÍTICA E PROBLEMAS BRASILEIROS ESTRUTURAIS

CRISE POLÍTICA E PROBLEMAS BRASILEIROS ESTRUTURAIS
UMA ANÁLISE HISTÓRICA DA UTOPIA DO DESENVOLVIMENTO NACIONAL, SOB O PONTO DE VISTA DE GRANDES OBRAS E DE EMPREENDIMENTOS DE LARGA ENVERGADURA, SOB O PRETEXTO DE QUE, UMA VEZ REALIZADAS, SE TORNARIAM UM LEGADO PARA USOFRUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA, DE FORMA DEMOCRÁTICA, MOSTRA QUE ESSE SONHO NÃO SE REALIZOU.

NÃO É PRECISO IR MUITO LONGE; PARA TANTO, BASTA ANALISARMOS O DESEMPENHO DE COMISSÕES ESPECIAIS DE INQUÉRITO REALIZADAS NO CONGRESSO. TIVERAM DUAS CPIs SOBRE OBRAS INACABADAS, QUE INVESTIGARAM INICIATIVAS DESDE O REGIME MILITAR COMO A TRANSAMAZÔNICA, O PÓLO NOROESTE, A NORTE SUL, A LESTE OESTE, ENTRE INÚMERAS OUTRAS. E, MAIS RECENTEMENTE, INICIATIVAS COMO A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO, PREVISTA PARA ESTAR FINALIZADA EM 2005.E MUITAS OUTRAS.

QUANDO O CONGRESSO DISCUTIU A MEDIDA PROVISÓRIA DOS PORTOS, OCORRERAM DEBATES INTENSOS E INTERESSANTES,  VERIFICOU-SE NAQUELE PROCESSO DE DEMOCRÁTICOS E TENSOS DEBATES QUE HAVIA NO BRASIL UMA PERCEPÇÃO MUITO FRAGMENTADA E CONCENTRADA EM INTERESSES CORPORATIVOS PECULIARES, QUE – NO EMBATE POLÍTICO, RESULTOU EM IMPASSES DIFÍCEIS DE SEREM RESOLVIDOS PELO CONSENSO. A VISÃO PAROQUIAL E INTERESSEIRA PREDOMINOU EM DETRIMENTO DE UM PROJETO NACIONAL DE REFORMA DA INFRAESTRUTURA, QUE O BRASIL TANTO NECESSITA. 



ESTAVA INSERIDA NUMA SÉRIE DE DESCOMPASSOS ESTRUTURAIS NA ARTICULAÇÃO ENTRE AS VÁRIAS CADEIAS PRODUTIVAS QUE PODERIAM, SE BEM ENTROSADAS, PRODUZIR MUITO MAIS RIQUEZA PARA A NAÇÃO BRASILEIRA DO QUE FRUSTRAÇÕES, COMO A QUE SE VERIFICOU NO ANO DA SUPERSAFRA. QUANDO O BRASIL PRODUZIU TONELADAS IMPRESSIONANTES DE GRÃOS, MAS NÃO PODE ESCOAR DEVIDAMENTE, POR CONTA DAS IDIOSSINCRASIAS VERIFICADAS NAS AÇÕES DE LÍDERES DOS DIVERSOS SETORES PRODUTIVOS.

 MAS TAMBÉM POR CONTA DE GREVES E DA PRECARIEDADE DE NOSSAS RODOVIAS, DA INDEFINIÇÃO DO MODELO GERENCIAL DOS PORTOS.
A UTOPIA DA REFORMA DA INFRAESTRUTURA E DOS PROJETOS DE MODERNIZAÇÃO DE TODOS OS EQUIPAMENTOS URBANOS, DE MOBILIDADE E DE PRIVILÉGIOS SOCIAIS, NÃO SE REALIZOU ADEQUADAMENTE.

O GRANDE LEGADO DE TODOS ESSES PROCESSOS FOI A CERTEZA DE QUE SE NÃO HOUVER UM PROJETO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO NACIONAL, QUE GERENCIE DE FORMA COORDENADA E COM FOCO EM OBJETIVOS PREVIAMENTE DEFINIDOS, NÃO CHEGAREMOS A LUGAR ALGUM. CONTINUAREMOS NUMA CIRANDA TAUTOLÓGICA, QUE SÓ GERA PREJUÍZOS À    NAÇÃO E DISPUTAS VAZIAS PARA A MANUTENÇÃO DE ESTRUTURAS DE PODER ARCAICAS E OBRAS MAL FEITAS QUE SE TORNAM OBSOLETAS, INACABADAS EM MAIORIA, EM TEMPO RECORDE. SOBRETUDO PORQUE ACONTECEM SOB UMA LÓGICA DE PROGRAMAS DE GOVERNO E NÃO DE ESTADO. O IMEDIATISMO E A DESCONTINUIDADE GERENCIAL SÃO DUAS FACES DA MESMA MOEDA JOGADA NO COFRE DA IRRESPONSABILIDE, SOB A GARANTIA DA IMPUNIDADE E DA INAÇÃO DA JUSTIÇA.

O ESFORÇO FEITO PARA A REALIZAÇÃO DOS JOGOS PANAMERICANOS, DA COPA DO MUNDO DE FUTEBOL E AGORA DAS OLIMPÍADAS, REVELAM MUITO DESSES MAL FEITOS E IMPROVISOS, NÃO OBSTANTE A IMPONÊNCIA ALEGÓRICA DE ALGUMAS OBRAS HIPERSUPERFATURADAS COMO É O CASO DO ESTÁDIO MANÉ GARRICHA EM BRASÍLIA, DO ENGENHÃO NO RIO DE JANEIRO E OUTRAS OBRAS EM MANAUS, POR EXEMPLO. E MUITAS OUTRAS. ALÉM DE INACABADAS, SUBUTILIZADAS E MAL FEITAS, EXIGINDO REPAROS CARISSÍMOS NO QUE FOI FEITO.

 ALEGA-SE QUE FICARÁ UM LEGADO PARA AS FUTURAS GERAÇÕES, MAS O QUE VIMOS E ESTAMOS VENDO, SÃO UM MANACIAL DE OBRAS INACABAS, MAL FEITAS, SUPERFATURADAS E GERIDAS DE FORMA IMPROVISADA E ATÉ AMADORA. ALÉM DE ESTAREM SENDO, EM MARIORIA, OBJETO DE INVESTIGAÇÃO CRIMINAIS DECORRENTES DE RELAÇÕES ESCUSAS ENTRE O HISTÓRICO CARTEL DAS EMPREITEIRAS E O ESTADO BRASILEIRO, COM SUAS MÁQUINAS DE CORRUPÇÃO EM PLENO E CONTÍNUO FUNCIONAMENTO.
O LEGADO SERÁ, NA REALIDADE, INEXISTENTE, SE CONSIDERARMOS O CANSATIVO ARGUMENTO POLÍTICO PROFERIDO DURANTE A PREPARAÇÃO PARA ESSES EVENTOS E O VERDADEIRO APROVEITAMENTO SOCIAL DAS OBRAS INACABADAS, MAL FEITAS E MAL GERENCIADAS.

ENTRARÃO EM AÇÃO, CADA VEZ COM MAIOR INTENSIDADE, OS ÓRGÃOS DE AUDITORIA, DE CONTROLE E DE INVESTIGAÇÕES CRIMINAIS, PARA LEVANTAR COMO FORAM GASTOS OS RECURSOS PÚBLICOS. MAS É NECESSÁRIO AVALIAR O LEGADO QUALITATIVO DESSES INVESTIMENTOS, NO QUE SE REFERE AO BEM ESTAR SOCIAL, SEJA NA ÁREA HABITACIONAL, NO MOBILIDADE, NA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO, NA SAÚDE, NA EDUCAÇÃO, NO ESPORTE, NA SEGURANÇA PÚBLICA E EM TODOS OS OUTROS SETORES QUE FORAM UTILIZADOS COMO ARGUMENTOS PARA JUSTIFICAR INVESTIMENTOS DE TÃO GRANDE MONTA COM O DINHEIRO PÚBLICO.
UMA ANÁLISE MAIS AMPLA DOS PROBLEMAS NACIONAIS, SOBRETUDO NO QUE SE REFERE AO CRESCIMENTO ECONÔMICO E A SITUAÇÃO ATUAL, NÃO PODE DEIXAR DE CONSIDERAR AS MUDANÇAS RADICAIS QUE ESTÃO ACONTECENDO NA DINÂMICA INTERNA DAS CADEIAS PRODUTIVAS.

O IMPACTO MODERNIZADOR E INEXORÁVEL DA TECNOLOGIA, AUMENTA A PRODUTIVIDADE, MAS GERA DESEMPREGO PARA A MÃO DE OBRA MAIS PRIMÁRIA E DESQUALIFICADA PARA ENFRENTAR OS DESAFIOS QUE LHE SÃO IMPOSTOS PELAS NOVAS FORMAS PRODUTIVAS E DEMANDAS INÉDITAS DE ORGANIZAÇÃO DOS PROCESSOS DE TRABALHO. E ISSO OCORRE EM TODOS OS SETORES, DA INDÚSTRIA À AGRICULTURA E ATINGE PROFUNDAMENTE O SETOR DE SERVIÇOS.

PRECISAMOS ENTENDER A DINÂMICA INTERNA DESSES PROCESSOS DE MUDANÇAS SABENDO DE ANTEMÃO QUE SUAS CONSEQUÊNCIAS SOCIAIS SERÃO, INICIALMENTE, O AGRAVAMENTO DO DESEMPREGO, POR CONTA DA AUTOMAÇÃO E DA ALTA TECNOLOGIA APLICADA, ALÉM DA TRANSFORMAÇÃO NOS HÁBITOS DE CONSUMO.

 TEMOS, HOJE, UMA SOCIEDADE BASTANTE ATIVA E QUE ACESSA AO MUNDO DIGITAL PRATICAMENTE O TEMPO TODO, VIVEMOS ON LINE. MAS ISSO NÃO SIGNIFICA QUE TODOS PARTICIPAM DAS BENESSES DO MERCADO VIRTUAL. O ACESSO É HETEROGÊNEO E OS PROBLEMAS SOCIAIS E ECONÔMICOS CRESCEM EXPONENCIALMENTE, SOBRETUDO O CUSTO DE VIDA E OS NÍVEIS DE RENDA DESIGUAIS, ALÉM DE NOVOS VALORES SOCIAIS E CONSEQUENTES PROBLEMAS PSICOLÓGICOS.

SE ANALISARMOS O SETOR DO AGRONEGÓCIOS, QUE É O CARRO CHEFE DE NOSSA ECONOMIA, ATUALMENTE, ESSE SETOR SOFREU MAGNÍFICAS TRANSFORMAÇÕES E SUA PRODUTIVIDADE É ESPETACULAR, MAS NÃO HÁ UM PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL PARA TRANSFORMAR O AGRONEGÓCIO DE TAL FORMA QUE POSSA AMPLIAR SUA CAPACIDADE DE EXPORTAÇÃO, DE DIVERSAR SUA CAPACIDADE PRODUTIVA, DE ABSORVER NOVOS TRABALHADORES, SOBRETUDO OS MAIS JOVENS, COM FORMAÇÃO TÉCNICA DE ALTO NÍVEL.

HÁ UM DESCOMPASSO ESTRUTURAL E MUITOS VAZIOS APARECEM QUANDO SE OLHA O SETOR COMO UM TODO. SE TIVESSEMOS MAIS CUIDADO, VISÃO E AÇÕES ESTRATÉGICAS, NUM PRAZO DE UMA DÉCADA O BRASIL SE TORNARIA UMA POTÊNCIA AGRÍCOLA NÃO EXPORTANDO APENAS COMODITIES, MAS PRODUTOS DE ALTO VALOR AGREGADO, COM ALTA DEMANDA DE MERCADO.
SE PENSARMOS SÓ NO MERCADO DE ALIMENTAÇÃO, A DEMANDA GLOBAL CRESCE EXPONENCIALMENTE, DEVIDO AO AUMENTO DEMOGRÁFICO, AOS PROBLEMAS AMBIENTAIS E AS CRISES POLÍTICAS, ALÉM DO PROBLEMA ENERGÉTICO.

O SETOR INDUSTRIAL PASSA POR UMA CRISE ESTRUTURAL, DEVIDO A MUDANÇAS NO MODELO PRODUTIVO, A ALTA TECNOLOGIZAÇÃO DOS PROCESSOS PRODUTIVOS, A INOVAÇÃO MACIÇA QUE DEMANDA INVESTIMENTOS SIGNIFICATIVOS EM EDUCAÇÃO E PESQUISA, ESTRUTURAS QUE O BRASIL NÃO PRIORIZA, ALÉM DE FORMATAÇÃO DE NOVOS PRODUTOS E NEGÓCIOS, COM OBJETIVOS DE OCUPAR ESPAÇOS NO MERCADO INTERNO E EXTERNO DE FORMA COMPETITIVA.

VIMOS HOJE O SETOR AUTOMOBILÍSTICO BRASILEIRO PASSAR POR GRANDES TRANSFORMAÇÃO GERENCIAL, MUDANDO O FOCO, VISANDO O MERCADO SUL AMERICANO E CARIBENHO, EM DETRIMENTO DO INTERNO, QUE NÃO OFERECE BOAS PERSPECTIVAS DE CONSUMO HOJE, DEVIDO À CRISE ECONÔMICA QUE GRASSA NO PAÍS.

REESTRUTURAÇÃO NO SETOR AUTOMOBILÍSTICO EXIGIRÁ DO CONGRESSO MAIS ATENÇÃO PARA AS NOVAS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS, QUE DEMANDARÁ NOVA VISÃO LEGISLATIVA E GERENCIAL. PERGUNTA-SE: O CONGRESSO ESTÁ PREPARADO PARA ENFRENTAR A RETOMADA DO CRESCIMENTO? DE QUE FORMA?

É PRECISO REVER O PACTO FEDERATIVO E DESENVOLVER UM MODELO COMPARTILHADO, NO QUAL A RIQUEZA GERADA POSSA SER DISTRIBUÍDA EQUANIMENTE DE FORMA A EVITAR O SURGIMENTO DE BOLSÕES DE POBREZA E O AUMENTO DO DESEMPREGO. E TAMBÉM EVITAR O CRESCIMENTO DOS GRANDES PROBLEMAS SOCIAIS DAS MEGALÓPOLES NACIONAIS, QUE NÃO ATENDEM MAIS ÀS NECESSIDADES DA SOCIEDADE.

NA ÁREA DE SERVIÇOS, ENQUANTO NÃO HOUVER INVESTIMENTO MACIÇO EM FORMAÇÃO TÉCNICA DE QUALIDADE, PARA TERMOS UMA MÃO DE OBRA COMPETITIVA, NÃO SERÁ POSSÍVEL ATENDER AS DEMANDAS DO MERCADO.
É PRECISO MUDAR RADICALMENTE A LÓGICA TRIBUTÁRIA NACIONAL QUE PENALIZA O MICRO EMPRESÁRIO QUE, EM TESE, GERA MAIS EMPREGOS, E CONCENTRAR O FOCO DO FISCO NOS GRANDES EMPREENDIMENTOS, NOS BANCOS E EM TODO SISTEMA FINANCEIRO ESPECULATIVO.

 ENQUANTO O BRASIL FICAR SUBORDINADO À LÓGICA FINANCEIRA E NÃO PRIVILEGIAR OS SETORES PRODUTIVOS, A INFLAÇÃO NÃO SERÁ VENCIDA, HAVERÁ MAIS CONCENTRAÇÃO DE RIQUEZA, MAIS DESEMPREGO, MAIS POBREZA, MAIS VIOLÊNCIA E DESIGUALDADES.  O SETOR DE SERVIÇOS É UM GRANDE GERADOR DE EMPREGOS, GERALMENTE DE BAIXA RENDA, PELA PRECÁRIA FORMAÇÃO TÉCNICA DO TRABALHADOR. ISSO PRECISA MUDAR. E RAPIDAMENTE.

A SOCIEDADE BRASILEIRA PASSA POR UM PROCESSO PROFUNDO DE MUDANÇAS DEMOGRÁFICAS, TEREMOS DENTRO DE 20 ANOS EM TORNO DE 52 MILHÕES DE IDOSOS, QUE VIVERÃO BEM MAIS, DEVIDO A UM ESTILO DE VIDA MAIS SAUDÁVEL E AOS AVANÇOS DA MEDICINA E DA NUTRIÇÃO, ENTRE OUTRAS VARIÁVEIS.  O BRASIL TEM HOJE, PELO MENOS, 15 MILHÕES DE JOVENS EM IDADE DE TRABALHAR. E CONSEGUIR EMPREGO, SOBRETUDO O PRIMEIRO, E UM SÉRIO PROBLEMA NO BRASIL.

MAS VEJAMOS, COMO PODERÁ O ESTADO BRASILEIRO GARANTIR OS DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DE MILHÕES DE APOSENTADOS LEGÍTIMOS, COM DIREITOS CONQUISTADOS PELA DEDICAÇÃO AO TRABALHO E PELA CONTRIBUIÇÃO COMPULSÓRIA DURANTE TODA SUA VIDA PRODUTIVA.
SE O BRASIL NÃO CONSEGUIR GERAR EMPREGOS E INCLUIR NO MERCADO DE TRABALHO NOVOS CONTRIBUINTES NÃO SERÁ POSSÍVEL MANTER A LÓGICA DESSE MODELO PREVIDENCIÁRIO, QUE FOI UMA CONQUISTA DOS BRASILEIROS. É NECESSÁRIO FAZER UMA REFORMA PREVIDENCIÁRIA DE FORMA QUE GARANTA DIREITOS E QUE MANTENHA O SISTEMA. MAS É FUNDAMENTAL QUE SE FAÇA UMA REFORMA TRABALHISTA, QUE GARANTA DIREITOS DO TRABALHADOR E DO PATRÃO, MAS QUE PROMOVA A GERAÇÃO DE EMPREGOS.

A QUESTÃO TRABALHISTA PRECISA SER DISCUTIDA EM PROFUNDIDADE, MAS O FOCO TEM QUE SER A GERAÇÃO DE EMPREGOS E A GARANTIA DE DIREITOS. É PRECISO FLEXIBILIZAR AS JORNADAS DE TRABALHOS, MUDAR AS FORMAS DE NEGOCIAÇÃO EMPREGADO E EMPREGADOR, E GARANTIR O FUTURO DAS NOVAS GERAÇÃO E PRESERVAR OS DIREITOS DOS APOSENTADOS.
SE NÃO HOUVER UMA MUDANÇA RADICAL NA LÓGICA TRIBUTÁRIA QUE PENALIZA O MICRO E O PEQUENO EMPRESÁRIO E INDUZ O EMPREENDEDOR AO MERCADO INFORMAL, NÃO TEREMOS FUTURO E NÃO SERÁ POSSÍVEL AUMENTAR A ARRECADAÇÃO.

 AUMENTARÁ, SIM, O CUSTO.
AUMENTARÁ, SIM, A FISCALIZAÇÃO PUNITIVA E A INSATISFAÇÃO SOCIAL. ALÉM DA EXCLUSÃO DE FATO DO TRABALHADOR DO MERCADO PRODUTIVO.


ESSE É UM GRAVE PROBLEMA E PRECISA SER RESOLVIDO EM POUCO TEMPO!

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*